Adolescente diz que matou os pais após ter o celular “confiscado”

Adolescente, de 16 anos disse que sempre teve desentendimentos com os pais e foi chamado de “vagabundo” na véspera; irmã também foi assassinada

O adolescente, de 16 anos, que matou a tiros, os pais adotivos, na última sexta-feira (17) na zona oeste de São Paulo, disse à polícia que cometeu o crime porque eles tinham “confiscado” seu computador e seu celular. A irmã do adolescente, que tinha a mesma idade que ele, também foi morta.

De acordo com o relato do menor de idade, ele matou a família entre a tarde e a noite de sexta-feira e passou o final de semana com os corpos. O adolescente ligou para a Polícia Militar, na madrugada desta segunda-feira (20) para comunicar o crime e se entregar.

À polícia, ele disse que sempre teve desentendimentos com os pais e que, na quinta-feira (16/5), eles o haviam chamado de “vagabundo” e tomado seu celular. Segundo o adolescente, isso impediu que ele realizasse atividades escolares. Após o episódio, ele planejou matar os pais.

Pai foi morto com tiro na nuca

No dia seguinte, quando estava sozinho em casa, pegou a arma do pai, que era guarda civil municipal em Jundiaí, e fez testes com o armamento, uma pistola Taurus 9mm. Mais tarde, assim que o pai chegou em casa, por volta das 13h, o menor de idade o esperou se debruçar sobre a pia da cozinha e atirou nele pelas costas, com um tiro na nuca.

Sem demonstrar remorso, o menor de idade disse aos policiais ter almoçado na cozinha da casa, ao lado do corpo do pai, foi para a academia e ficou esperando a chegada da mãe.

Tiro e facada na mãe

Por volta das 19h, assim que a mulher chegou em casa, deu um grito ao se deparar com o cadáver do marido. Enquanto ela se debruçava sobre o corpo, o adolescente também atirou nela pelas costas.

No sábado (18), um dia após matar os pais, foi até o corpo da mãe e enfiou uma faca nas costas dela. Ele disse que ainda estava com raiva por ter sido castigado com o “confisco” do celular.

“Faria de novo”

Em depoimento, o adolescente disse que já havia pensado em matar os pais anteriormente e que, se pudesse, “faria novamente”. Ele afirmou que a ideia, inicialmente, não envolvia a morte da irmã, mas que precisou matá-la após ela perceber o som de disparo.

Após ser ouvido no 87º Distrito Policial, o adolescente foi encaminhado para a Fundação Casa.

O caso foi registrado como ato infracional de homicídio – feminicídio; ato infracional de posse ou porte ilegal de arma de fogo e ato infracional – vilipêndio a cadáver.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade

Publicidade
Arquivos